Aprendizagem

Como você aprende?

Pode parecer uma pergunta boba, mas você sabe exatamente como aprender? Você já prestou atenção em qual estratégia fez você adquirir um novo conhecimento ou uma nova habilidade? Existem métodos clássicos de estudo, mas será que eles funcionam para você?

Algumas pessoas gostam de escrever sobre o que estão estudando. Fazem resumos da matéria, copiam alguns excertos de um texto, escrevem comentários ou pequenas explicações do objeto de estudo.

Outras gostam de seguir um caminho mais artístico e fazem do seu material uma obra de arte, com muitas cores, flechas, círculos, adesivos e outros acessórios.

Temos também os aficionados por listas! Listam os conceitos, as referências, as fórmulas. Fragmentam todo o assunto em categorias e muitas vezes criam hierarquias entre elas.

Um método que pode unir um pouco de tudo o que foi descrito é o mapa mental. A ideia é fazer um caminho de estímulo visual para o tema escolhido, podendo ser através de desenhos, pequenas caixas de texto ou até explorando as letras dos conceitos em destaque.

Saindo um pouco do papel temos outras metodologias bastante utilizadas. Algumas pessoas precisam falar sobre o assunto, falam com os colegas, familiares, com o gato, cachorro e até sozinhos. Contam tudo que sabem sobre a temática, tentam explicar aquilo que estão aprendendo e é nessa tentativa que vão descobrindo o que ainda não sabem.

Seguindo a dinâmica da apropriação do conteúdo através da interação com outras pessoas temos o clássico método de perguntas e respostas. Este modelo é muito utilizado nas escolas de medicina e tem sido alvo de pesquisas sobre aprendizagem através da resolução de problemas.

Quando se busca um método eficiente para aprender é importante ressaltar que não existem fórmulas mágicas, mas que o caminho de tijolos amarelos é a autoavaliação de tentativas e erros. Se você se dedicou muito em um método e não conseguiu atingir seus objetivos quem sabe está na hora de tentar um método diferente.


Sugestões para autoavaliação:
  • Você acha que se dedicou tempo o suficiente? (Tempo de qualidade e não muitas horas seguidas na véspera de uma avaliação!)
  • Enquanto estudava seu foco estava direcionado para a temática?
  • Você procurou ajuda quando percebeu que necessitava de novas orientações?
  • Após um resultado negativo você conseguiu identificar seus erros?
  • O desempenho indesejado foi fruto de falta de domínio do conteúdo, falta de atenção ou por algum elemento psicológico (ansiedade, nervosismo, medo, etc.)?

Dicas importantes:
  • Valorize sempre suas competências!
  • Identificar suas dificuldades é um elemento importante no processo de aprendizagem!

Historiadora, mestre em ensino de História e pós-graduanda em Neuropsicopedagogia clínica e Educação Especial e Inclusiva. Mãe de Mariana Flor de 5 anos e Antônia Dara de 1 ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.